Publicidade / Propaganda o que são?

A publicidade é, informação para chamar a atenção para algo, e para tornar esse algo conhecido, porque o pretende vender ou promover.

É uma mensagem destinada a promover ou a vender um produto, um serviço ou uma ideia. A Publicidade atinge as pessoas com variados tipos de comunicação de massa. Na vida quotidiana, as pessoas entram em contacto com muitos tipos de publicidade diferentes (muitas vezes sem darem por conta). Anúncios impressos em jornais e revistas, posters colocados em autocarros, metros e comboios. Sinais luminosos espalhados pelas ruas da cidade e outdoors, espalhados pela paisagem ao longo das auto-estradas. Os comerciais interrompem constantemente a programação da televisão e dos rádios.

Os Indivíduos, os candidatos e os seus partidos políticos, organizações e grupos e, o governo, também utilizam publicidade. As forças armadas usam anúncios para recrutar voluntários. Grupos de interesse especial utilizam publicidade, para promovem uma causa ou para tentar influenciar o pensamento e acções das pessoas. Os Políticos usam anúncios para tentar ganhar votos. As pessoas (comuns) anunciam em jornais para vender carros, casas, bens ou outros itens.

Publicidade / Propaganda

A Publicidade invade cada aspecto das nossas vidas modernas (todos os dias). É nos, empurrada pela média, internet, televisão, rádio, filmes e até mesmo as nossas ruas parecem estar centradas na publicidade. Somos convidados a comprar, a experimentar e a consumir aquilo que é mais recente ou melhor. Enquanto a maioria das coisas anunciadas são significativas e podem, eventualmente, ser usadas para ajudar a melhorar as nossas vidas, não nos são necessariamente precisas.

Principalmente, aquilo a que estamos expostos na publicidade é propaganda, os autores do livro “Propaganda e Persuasão”, definem-na como:

“Propaganda é a tentativa deliberada e sistemática para moldar as percepções, manipular as cognições e o comportamento directo, para obter uma resposta que promova o objectivo desejado pela propaganda.”

As suas técnicas inteligentes são exibidas na televisão todos os dias, sem darmos por conta. Não só apenas tenta persuadir os adultos, mas também as crianças e os adolescentes. A propaganda manipula as nossas opiniões e convence-nos a agir ou a comprar algo que, de outra forma não teríamos feito.

Publicidade na Internet

Publicidade versus propaganda

Como um meio de publicidade a internet está-se a tornar a mais flexível, poderosa e influente de todos os meios de publicidade. Repare na quantidade de dinheiro gasto em publicidade na internet e novas empresas que ‘arrancaram’ ao longo dos últimos cinco anos.

Mas a internet é um meio instável, muito mais do que a televisão, rádio ou imprensa escrita. O sucesso de hoje não é garantia do sucesso de amanhã. Pelo contrário, a possibilidade de falha é muito mais provável quando se trata de publicidade na internet.

A publicidade pode-se tornar rapidamente em propaganda, atendendo às necessidades de poucos com o uso de muitos.

A publicidade na Internet é o novo meio de publicidade. Enquanto alguns a consideram mais do que isso, um novo meio de publicidade ou de canal, a Internet não é totalmente igual a outro método de publicidade mais tradicional? A resposta é simples: “Não!”.

A internet é a nossa última e única esperança para um comércio verdadeiramente livre e global e, é preciso que continue assim. A publicidade na internet deve reflectir este canal global.

Por um lado, é um meio mais rápido. A velocidade da internet e a velocidade com que pode mudar é surpreendente e, mais importante, praticamente incontrolável. Com a média tradicional, se uma empresa, emissora de televisão, ou departamento governamental, quiser tirar qualquer mensagem publicitária ‘do ar’, pode fazê-lo muito rapidamente e a mensagem será anulada.
Na internet essas mensagens são armazenadas localmente em milhões de computadores, mesmo depois da mensagem original ter sido retirada e, é praticamente impossível eliminar todos esses exemplares. Assim, a publicidade na Internet pode beneficiar o anunciante durante mais tempo que os métodos tradicionais, também acrescenta responsabilidade ao anunciante. Erros e publicidade falsa podem ser expostos e, cobri-los é muito mais difícil.
Nota: Não somos a favor de um motor de busca que busca através do seu computador para obter informações e documentos, porque isso faz com que a internet também seja mais susceptível à propaganda do que qualquer outro meio de comunicação.

A rádio, e mais tarde a televisão, foram os meios de publicidade mais poderosos das últimas oito décadas.

Uma das principais diferenças é que a televisão e rádio, bem como a imprensa escrita, são métodos de publicidade que podem ser razoavelmente bem localizadas. Não há Internet localizada – pelo menos por enquanto, e se a internet se deve manter livre, local significa global, e é assim que deve ser.
Por isso os métodos de publicidade devem reflectir a verdadeira natureza da internet, como um local de mercado global. Isto significa que os métodos tradicionais de publicidade não são necessariamente os melhores métodos de publicidade, quando utilizados na Internet.

O mundo não gira em torno de um par de centenas de grandes empresas multinacionais, ainda gira em torno de milhões e milhões de empresas menores e, é assim que deve ser.

Pode ser verdade que precisamos de organizações que nos forneçam bens ou serviços em larga escala, tais como electricidade, água, comunicações e assim por diante, mas a privatização destes serviços, em muitos casos só levou a um preço mais elevado e a uma redução na qualidade, já para não falar de um monopólio de algumas empresas sobre estes serviços ou mercadorias. Esta evolução da privatização é vista como um retrocesso por muitos consumidores. É isso que nós queremos da internet? Não há escolha?

A internet é uma teia de múltiplas camadas. A penetração de todas as camadas leva tempo. Os sistemas mais antigos contêm mensagens mais antigas e, é igualmente impossível actualizar todos os sistemas ao mesmo tempo.
As leis que regem os métodos tradicionais de publicidade nem sempre se aplicam à publicidade na Internet. Por exemplo, é muito mais difícil atingir o seu ‘mercado-alvo’ se anunciar na internet.

Publicidade e Propaganda

Publicidade e propaganda são ‘gémeos’. Ambos tentam influenciar a forma como uma pessoa pensa e sente. Ambas estão voltadas mais para a sensação do que para o pensar, porque a maioria das pessoas tomam decisões baseadas em emoções que depois atribuem ao pensar.

O objectivo da publicidade é influenciar as pessoas a comprar um produto quer precise dele ou não.

O objectivo da propaganda é mudar a maneira como as pessoas pensam e sentem em relação a uma filosofia ou visão específica.

Ambas querem que as pessoas pensam de uma maneira específica, que tenham emoções específicas, e que ajam sobre esses pensamentos e emoções. Todos estes elementos são definidos por quem cria a publicidade ou propaganda.

Definição de Propaganda

Enquanto a maioria das pessoas que pensam no assunto fazem distinções entre uma reportagem objectiva escrita e a propaganda, encontram no entanto dificuldades quando tentam definir propaganda. É uma das palavras mais problemáticas. Tentar defini-la de forma clara e precisa, de modo a que sempre que seja utilizada signifique a mesma coisa, para todos, é quase como tentar apanhar uma enguia com as mãos. Pensa que a tem segura, mas de seguida, ela escapa.

Quando você diz “polícia” ou “casa”, todos têm uma ideia muito clara daquilo que quer dizer. Não há nada de vago sobre estes termos. Mas quando tenta marcar os limites exactos de “propaganda”, até mesmo quem passa a vida a estudar a origem e a história das palavras, enrugam as testas. A definição de propaganda é ainda mais confusa, porque durante a primeira Guerra Mundial, adquiriu alguns significados populares, que lhe são sempre atribuídos ao mencionar a palavra propaganda.

Como medir a Propaganda?

Não nos devemos esquecer que existem salvaguardas e ‘tests’ para medir a dimensão do mérito da propaganda e do auto-interesse que pode estar por detrás da propaganda. Uma autoridade em propaganda sugere dois testes:
l. A publicidade é realmente, propaganda? Será que algum indivíduo ou grupo está conscientemente a tentar influenciar a opinião e a acção do ‘grupo alvo’? Quem?

Com que propósito?

2. A publicidade é verdadeira? A comparação dos relatórios independentes mostra que os factos estão correctos? Será que a mesma comparação mostra que as sugestões feitas são de uma base sólida?

Existem outros testes que podem ser aplicados por parte do cidadão ‘que pensa’:
1. Qual o facto ou conjunto de factos da promoção (publicidade) são realmente importantes e relevantes? Quais são os factos irrelevantes?

2. Se algum indivíduo ou grupo estiver a tentar influenciar a opinião e a acção, o esforço que estão a fazer é egoísta ou altruísta? Será que a acção resultante da propaganda vai beneficiar o indivíduo ou grupo responsável por essa propaganda? Ou será que vai beneficiar aqueles que actuam sobre a sugestão dada na propaganda? Ou será que vai beneficiar as duas partes?
3. Qual o efeito provável da acção ou da opinião que a propaganda está a tentar desencadear?

Todos esses pontos resumem-se a algumas perguntas muito simples:

Qual é a fonte da propaganda? Qual é a sua autoridade? Quais os propósitos que a desencadearam? A quem vai beneficiar? O que é que realmente diz?


Deixe a sua resposta