Estratégia empresarial: introduzir o empowerment na empresa

O empowerment é um conceito que permite melhorar a qualidade, a produtividade e, assim, o serviço que uma empresa presta aos seus clientes.

Para saber como introduzir o empowerment na empresa há que perceber que este conceito consiste na delegação de autoridade e de responsabilidade, favorecendo a criação de relações de confiança entre os colaboradores das empresas.

O que isto quer dizer é que se trata da descentralização de poderes na cadeia hierárquica de uma empresa, conferindo autonomia aos funcionários, por forma a que possam se mostrar aptos a diagnosticar, analisar e propor soluções diariamente.

 

 

Introduzir o empowerment

De facto, o empowerment é muito mais do que um conceito de gestão, pois as suas raízes se encontram na filosofia, sociologia e religião. Apesar do conceito já ter surgido há mais de três séculos, apenas em meados da década de 80 começou a ser realmente aplicado nas empresas.

Não há necessariamente uma altura exata para se saber como introduzir o empowerment na empresa. Isto porque o empowerment não se assume como uma forma de gestão participativa, mas sim como um caminho para a melhoria contínua e para o estabelecimento de relações de confiança entre todos os membros de uma empresa, ou seja, implica uma redefinição de partilha de poder e  de autoridade.

O conceito de empowerment vem reconhecer que os colaboradores das empresas não são menos executores de orientações, estando melhor colocados para tomar decisões relativas à produção e serviço prestado aos clientes. Assim, os colaboradores passam a ter mais controlo sobre o seu trabalho, a ponto que os gestores ficam mais libertos para outras áreas da atividade empresarial.

Implica um processo de alteração de papeis, tanto por parte da gerência como dos empregados, onde ambas as partes terão funções definidas, funcionando em parceria. Assim, caberá ao gerente criar um ambiente propício para o empowerment, ao passo que os empregados deverão assumir propriedade e autoridade na tomada de decisões.

O gerente cria a visão, negoceia as “fronteiras” de trabalho, dá informação disponibilizando recursos e ensina e treina os empregados. Os empregados, por sua vez, assumem responsabilidade, propriedade e autoridade por forma a poderem tomar decisões e aperfeiçoar o seu trabalho.

O que evitar

Obviamente que haverá sempre questões quando se trata de uma mudança na empresa, sendo que a implementação do empowerment requer especial atenção sobre eventuais armadilhas que poderão condicionar o seu sucesso.

De facto, sabe-se que os gestores prometem delegar responsabilidades, acabando por, no fundo, manter em si a tarefa de fazer tudo. Ao mesmo tempo, também prometem conferir mais poder, mas acabam por não querer abdicar do que têm.

Ainda existem mais observâncias que devem ser tomadas em conta, como o assegurar de que os colaboradores estão preparados para a nova etapa que se avizinha, confiando neles para os desafios futuros.

Quando introduzir o empowerment na empresa há que saber que as mudanças que resultam, requerem alterações comportamentais que afetam os gerentes e os colaboradores, pelo que primeiro que tudo, deve-se criar um ambiente propício à implementação do empowerment.


Deixe a sua resposta