Como preparar a internacionalização da sua empresa

Caso você ainda não saiba, os cenários de negócios vão evoluindo tendo sempre em conta o momento e a estabilidade do país em questão, não haja qualquer dúvida, que por vezes algumas multinacionais são obrigadas a refrearem investimentos no exterior para conseguir focar-se nas operações locais. Apesar disso, esta é uma situação completamente provisória e propícia para conseguir organizar todos os processos de internacionalização para o decorrer dos próximos anos.

Não haja qualquer dúvida que preparar-se para um comércio global de uma forma adequada é muito vantajoso. Este processo tem a capacidade não só de minimizar uma grande parte dos riscos de operação internacional, como também aumentar a competitividade. E vai contribuir de uma forma consistente para o negócio local, não só pela possibilidade de conseguir alcançar novos e recentes mercados, mas também pelos ganhos de visibilidade de resultados e indicadores, para além da sinergia de operações pela uniformização de processos. No entanto, é claro que uma das questões principais é se a companhia em questão encontra-se ou não  preparada para os rollouts?

 

Nos dias de hoje já se sabe que cerca de 60% dos negócios das empresas necessitam muito da tecnologia para se desenvolver, e diz-se que em 2015 esse número vai aumentar para uns impressionantes 88%, e o primeiro ponto que deve ser analisado é o sistema. No entanto, já se provou que na maioria dos casos não se faz isso, a razão é que ao contrário de países como a Alemanha, no qual 60% do PIB provêm de operações internacionais, os rollouts não fazem realmente parte da cultura de um empresário comum.

Apesar do você possa pensar, o caminho para rollouts não é nada simples e vai exigir muito mais trabalho do que provavelmente pensa ou imagina. Um dos fatores mais importantes e críticos é claramente o gerenciamento da mudança. São realmente precisas várias capacidades e habilidades de liderança para conseguir lidar muito bem com uma certa resistência que é desenvolvida pelas mais diversas e variadas razões, como por exemplo os escopos de processos globais extremamente ambiciosos, ou estão realmente a ignorar as necessidades locais que existem, entre outros casos.

Se estiver olhar para isto sob o ponto de vista de negócios, um dos primeiros pré-requisitos é claramente uma análise dos processos globais que vão ser replicados, os quais devem estar totalmente maduros para que as manutenções recorrentes não tenham um grande impacto nas unidades locais. Pelo contrário, os processos globais sofrem as suas avaliações de uma forma a contribuir para melhorar sempre todas as estratégias de negócios que existem nos dias de hoje. A partir disso, começa-se a definir o template, este é o conjunto de processos e arquitetura de sistema global que vai ser replicado nas unidades de outros países.


Deixe a sua resposta